15 C
Coimbra
Terça-feira, 23 Abril, 2024
InícioDESTAQUELouvor a Coimbra

Louvor a Coimbra

WEB2-Nocturna1

(Foto: HELENA PRATA)

 

VASCO FRANCISCO *

 

Não sei se quem lê estas frases as entende como de um relato se tratasse, de uma prosa que se estende no papel convencendo o leitor a ler até ao fim. Palavras desenhadas a preceito, para descrever a cidade mais antiga de Portugal a seguir a Braga.

Coimbra – esta cidade que acorda serena e silenciosa e que adormece boémia e apaixonada. Quantas palavras seriam precisas para descrever esta cidade que em tempos foi capital do reino… A verdade é que não as há.

A saudade já vem desses tempos (Aeminium, como lhe chamaram os romanos) e não esquece aqueles que fizeram de si o seu berço de nascimento e glória, D. Afonso Henriques, D. Sancho I, D. Afonso II, entre outros que por cá nasceram. As muralhas da cidade ainda se fortificam quando ouvem os nomes de D. Dinis e de D. Pedro, os reis mais admirados na história da cidade. O tempo passou e da 1.ª dinastia apenas ficaram os símbolos e a história. As margens do Mondego unem-se numa só, como se o rio fosse uma aliança entre elas. O Mondego corre calmo e majestoso, as lágrimas de Inês e de outros tantos que por aqui choraram de alegria e de tristeza cruzam o leito que as leva até à foz. A foz que diz à Serra da Estrela que o Mondego está entregue ao mar. Quantas barcas o beijaram desde Penacova à Figueira da Foz, quando foi uma das mais importantes vias fluviais de Portugal, onde se desenlaçaram tragédias e emoções. Hoje só vejo uma barca perdida sem que à sirga a puxem para uma viagem nas águas de um rio tão português. Este rio que em tempos foi tão irregular, cheia no Inverno, areal no Verão. Hoje é rio todo o ano e todo o ano é do Bazófias.

Coimbra, inspiração de poetas, músicos e pintores, homens e mulheres que desta cidade fizeram arte. Num poema gravaram a saudade, numa tela esboçaram a beleza, num fado cantaram a alma. Quantos nomes a imploraram para sua inspiração, Miguel Torga, António Nobre, Zeca Afonso, Luís Goes, Camões, tantas almas a abraçaram, todas recebidas no mesmo abraço. Um abraço acolhedor e tão característico.

As capas negras vestem uma cidade que não tem vergonha em mostrar a sua nudez, a beleza é fruto da natureza e do homem desde o Penedo da Saudade a Santa Clara. As lágrimas de Inês rebatem no coração dos amores desta cidade, desde o velho amor de uma tricana com um estudante até aos amores atuais que levam Coimbra como cenário.

O trinar de uma guitarra desperta os estudantes e os doutores, que na cidade dos amores aprendem a ver e a sentir uma cidade que da velha Torre faz ícone, que do badalar da Cabra faz seu símbolo humorístico e tem como postal mais famoso o Pátio das Escolas. Os rouxinóis convidam a ir ao Choupal, mas algo leva a descer mais perto. Respirando o ar puro do Botânico chega-se à Sé Velha que se veste de negro todos os anos. E ainda hoje as pedras morenas da Sé aclamam a nostalgia.

O aroma de uma cidade sente-se na doçaria, esta que imortaliza as monjas de Santa Clara. As pedras de Santa Cruz formam um cenário tão português, Almedina e Quebra Costas cantam o fado que se faz ouvir à Portagem, de onde se contempla uma das mais bonitas paisagens da Lusa Atenas.

Coimbra, viveiro de amores onde ainda se cheira um perfume celestial. Uma pétala escorrega do regaço e a lenda ainda é a mesma “São Rosas, Senhor!”. E eis que uma coberta se estende numa varanda e assim se anuncia uma procissão, um cortejo real, vai passar a Rainha Santa, e o povo comparece para a venerar.

Os salgueirais do Mondego debruçam-se nas águas que Camões exaltou, águas que encerram histórias de um rio e de uma cidade. Coimbra que se embala numa balada minha e tua. Terra onde o Sol e a Lua refletem mais brilho e mais beleza ao que foi, permanece e continuará a ser esta cidade.

Mais palavras, para quê? Não há palavras que cheguem nem dias que se reservem para descrever uma cidade onde se mudam os tempos e as vontades, mas há sempre algo que fica, algo que se mantém a imortalizar o passado, a alma e a genuinidade.

“Coimbra terra de encanto,
Fundo mistério é o seu,
Chega a ter saudades dela,
Quem nunca nela viveu.”

Coimbra, 10 de Julho de 2014

* aluno finalista do Ensino Secundário. Colaborador permanente do COIMBRA JORNAL

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco sobre Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira sobre Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia sobre Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
João Vaz sobre Conversas [Vasco Francisco]
Eduardo Varandas sobre Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade sobre Um nascimento atribulado
Emília Trindade sobre Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade sobre Sonhos… [Mário Nicolau]
Américo Coutinho sobre “FDP” [Salvador Massano Cardoso]
José da Conceição Taborda sobre João Silva
António B. Martins sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Cristina Figueiredo sobre Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra sobre Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro sobre Encontro Bata Azul 40 anos
maria santos sobre A carta de Ricardo Castanheira
Maria do Rosário Portugal sobre Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa sobre Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira sobre COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Ana Maria Ferreira sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria Isabel Teixeira Gomes sobre COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins sobre Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima sobre Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Maria Emília Gaspar sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Manuel Henrique Saraiva sobre Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Luísa Cabral Lemos sobre Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Eduardo Saraiva sobre Prós e Contras: porquê em Coimbra?
Armando Manuel Silvério Colaço sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Henrique Chicória sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva sobre Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez sobre Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira sobre Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Manuel Marques Inácio sobre MARINHO PINTO candidato ao Parlamento Europeu
Maria Teresa Freire Oliveira sobre REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso sobre Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro sobre Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso sobre INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano sobre REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso sobre De onde sou, sempre serei
Carlos Santos sobre Revolta de um professor
Eduardo Varandas sobre De onde sou, sempre serei
Norberto Pires sobre Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel sobre Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas sobre Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues sobre De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva sobre Pergunta inquietante
Isabel Hernandez sobre Hoje é dia de S. Cristiano Ronaldo
Leopoldo Serra sobre Ronaldo: alma portuguesa a chorar
mritasoares@hotmail.com sobre Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas sobre Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves sobre FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro sobre Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva sobre Aproveitar o lado bom do capitalismo
Eduardo Saraiva sobre Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro sobre No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro sobre Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira sobre José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro sobre Carta de Lisboa
Manuel Fernandes sobre No Café Montanha
Eduardo Saraiva sobre Mau tempo em Coimbra (imagens TVI)
candido pereira sobre VERGONHA: Mondego ultrapassa margens
Ana Caldeira sobre Desabamento na Estrada de Eiras
Rosário Portugal sobre Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe sobre No Café Montanha
Jorge Antunes sobre Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos sobre Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico sobre Ideias e idiotas!
José Reis sobre Nota de abertura
Eduardo Varandas sobre Caricatura
Eduardo Varandas sobre Miradouro da Lua
Célia Franco sobre Nota de abertura
Apolino Pereira sobre Nota de abertura
Armando Gonçalves sobre Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira sobre Nota de abertura
Jorge Antunes sobre Nota de abertura
João Gaspar sobre Nota de abertura
Ana Caldeira sobre Nota de abertura
Diamantino Carvalho sobre Mataram-me a freguesia
António Olayo sobre Nota de abertura
Alexandrina Marques sobre Nota de abertura
Luis Miguel sobre Nota de abertura
Joao Simões Branco sobre Nota de abertura
Jorge Castilho sobre Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos sobre Nota de abertura
José Quinteiro sobre Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago sobre Nota de abertura
Fernando Regêncio sobre Nota de abertura
Mário Oliveira sobre Nota de abertura