15 C
Coimbra
Terça-feira, 23 Abril, 2024
InícioCOIMBRADiários de Coimbra e o amor pela Académica/oaf

Diários de Coimbra e o amor pela Académica/oaf

recortesDCeDABemCJ

 

MÁRIO MARTINS *

 

Os dois jornais diários que se publicam em Coimbra fazem repetidas juras de amor eterno à Académica/oaf. Um amor falso.

No sábado (23 de Agosto), a Académica foi ao Funchal jogar com o Marítimo e os dois diários que se publicam em Coimbra ficaram em casa.
O mais antigo recorreu alegadamente aos serviços de um colaborador local, benévolo, Arnaldo Cafofo. Mas o texto sobre o jogo, na edição de domingo, é de uma enorme pobreza.
O diário mais novo publicou hoje (segunda-feira) o despacho de sábado da Agência Lusa, que mesmo assim ainda consegue ser mais pormenorizado, em alguns aspectos, do que o do colaborador do outro jornal.

Apenas uma questão…
A Académica perde o jogo na Madeira com dois golos sofridos no espaço de um minuto. O que é invulgar e, por isso, merece referência detalhada. Algum dos jornais explica como isso aconteceu? Nenhum.
Os adeptos da Académica, que não tiveram possibilidade de ver o jogo porque ele não foi televisionado, ficam na mesma depois de ler qualquer um dos jornais.
Como foi possível sofrer dois golos num minuto? Culpas da defesa? Do guarda-redes? Um momentâneo desnorte colectivo?
Ninguém sabe!

Esta atitude dos dois jornais diários que se publicam em Coimbra é tanto mais grave quanto a direcção da Académica/oaf lhes cede gratuitamente largos espaços publicitários no estádio, mais bilhetes para os jogos para oferecer (na compra de jornais) aos respectivos leitores, mais – creio – camarotes gratuitos no estádio.
Em troca, qual a atitude dos dois jornais? Não enviar nenhum jornalista ao Funchal, mesmo que a viagem de avião de ida-e-volta fique em menos de 120 euros.

Aliás, há precisamente dois anos nem a presença histórica da Académica na Liga Europa fez com que qualquer dos jornais enviasse um jornalista a Israel, quando a viagem custava cerca de 600 euros.
Ou seja: o amor de ambos os jornais pela Académica não vale sequer escassas centenas de euros.
Por outras palavras: não há amor nenhum.

Concluindo: razão tem o “Diário de Coimbra” ao escrever em título que “Académica merecia mais na Pérola do Atlântico”.
Merecia, na verdade, muito mais respeito dos jornais diários da cidade.

[Já agora: há dois anos, na estreia da Académica na Liga Europa, cada jornal enviou um jornalista à República Checa, para fazer a reportagem do jogo com o Viktoria Plzen. Mas nem isso terá sido uma prova de interesse pelo clube porque, ao que parece, a Académica ofereceu na ocasião quatro viagens, duas a cada jornal…]

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco sobre Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira sobre Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia sobre Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
João Vaz sobre Conversas [Vasco Francisco]
Eduardo Varandas sobre Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade sobre Um nascimento atribulado
Emília Trindade sobre Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade sobre Sonhos… [Mário Nicolau]
Américo Coutinho sobre “FDP” [Salvador Massano Cardoso]
José da Conceição Taborda sobre João Silva
António B. Martins sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Cristina Figueiredo sobre Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra sobre Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro sobre Encontro Bata Azul 40 anos
maria santos sobre A carta de Ricardo Castanheira
Maria do Rosário Portugal sobre Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa sobre Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira sobre COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Ana Maria Ferreira sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria Isabel Teixeira Gomes sobre COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins sobre Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima sobre Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Maria Emília Gaspar sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Manuel Henrique Saraiva sobre Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Luísa Cabral Lemos sobre Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Eduardo Saraiva sobre Prós e Contras: porquê em Coimbra?
Armando Manuel Silvério Colaço sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Henrique Chicória sobre Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva sobre Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez sobre Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira sobre Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Manuel Marques Inácio sobre MARINHO PINTO candidato ao Parlamento Europeu
Maria Teresa Freire Oliveira sobre REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso sobre Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro sobre Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso sobre INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano sobre REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso sobre De onde sou, sempre serei
Carlos Santos sobre Revolta de um professor
Eduardo Varandas sobre De onde sou, sempre serei
Norberto Pires sobre Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel sobre Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas sobre Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues sobre De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva sobre Pergunta inquietante
Isabel Hernandez sobre Hoje é dia de S. Cristiano Ronaldo
Leopoldo Serra sobre Ronaldo: alma portuguesa a chorar
mritasoares@hotmail.com sobre Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas sobre Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves sobre FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro sobre Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva sobre Aproveitar o lado bom do capitalismo
Eduardo Saraiva sobre Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro sobre No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro sobre Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira sobre José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro sobre Carta de Lisboa
Manuel Fernandes sobre No Café Montanha
Eduardo Saraiva sobre Mau tempo em Coimbra (imagens TVI)
candido pereira sobre VERGONHA: Mondego ultrapassa margens
Ana Caldeira sobre Desabamento na Estrada de Eiras
Rosário Portugal sobre Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe sobre No Café Montanha
Jorge Antunes sobre Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos sobre Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico sobre Ideias e idiotas!
José Reis sobre Nota de abertura
Eduardo Varandas sobre Caricatura
Eduardo Varandas sobre Miradouro da Lua
Célia Franco sobre Nota de abertura
Apolino Pereira sobre Nota de abertura
Armando Gonçalves sobre Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira sobre Nota de abertura
Jorge Antunes sobre Nota de abertura
João Gaspar sobre Nota de abertura
Ana Caldeira sobre Nota de abertura
Diamantino Carvalho sobre Mataram-me a freguesia
António Olayo sobre Nota de abertura
Alexandrina Marques sobre Nota de abertura
Luis Miguel sobre Nota de abertura
Joao Simões Branco sobre Nota de abertura
Jorge Castilho sobre Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos sobre Nota de abertura
José Quinteiro sobre Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago sobre Nota de abertura
Fernando Regêncio sobre Nota de abertura
Mário Oliveira sobre Nota de abertura