13.9 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESTAQUEPor um referendo sobre a TAP

Por um referendo sobre a TAP

TAPCJ

 

ANTÓNIO B. MARTINS *

 

 TAP:  de braços caídos… a pensar nos interesses / Desafio a um referendo

 

Os transportes aéreos portugueses – AIR PORTUGAL/TAP – com mais de 60 anos de vida útil ao serviço do País, estão na mira de “jogadores” financeiros e sob os seus olhares de rapina.

Criados em tempos de fracos recursos económicos, com a determinação de homens que, apesar do mais e de tudo, sabiam gerir, a TAP tem sido uma marca de excelência do “mundo dos ares” e uma imagem de referência mundial da aviação comercial dos nossos dias.

Sofreu vicissitudes, impostas por crises do petróleo e financeiras; por políticas isolacionistas; por deliberações mais ou menos levianas; por decisores impreparados para administrar escalas, voos, aviões, rotas e pessoal; por administradores incompetentes que “aterraram” na companhia por simpatias político-partidárias; por sindicalistas vesgos e determinados em fazer cumprir as directrizes de politiquices bafientas; por rupturas laborais nem sempre de interesse nacional; por birras marginais à empresa; por “merchandisings” partidários e por tantas outras maleitas que foram corroendo uma TAP que se tornou um vazadouro de incongruentes gestores.

A TAP “entalou-se” financeiramente, esfumou-se nas vertigens de projectos sem substracto, esboroou-se nas oficinas do Brasil, perdeu “penas” com a globalização, fatigou-se com as teimosas reivindicações operárias, ficou refém de políticos, emparedou-se com um “handling” pesado e estafado, desfalece nos corredores lisboetas de advogados de negociatas, começa a desviar-se da rota inicial e traça destinos para mãos de interesses que, como os submarinos e outros “trabalhinhos”, vão deixar luvas a quem pegar no caso da sua venda… a preço de saldo.

A TAP tem, hoje, frequências semanais para o Brasil que são cobiçadas pelos gigantes dos ares. A TAP chega a destinos africanos que os abutres de grupos internacionais de Aviação pretendem. A TAP capitalizou a sua força na segurança mas – segundo fontes – não soube, a tempo, fazer a respectiva renovação de quadros nesse sector e começa a apresentar uma ou outra debilidade. A TAP deixou sangrar-se dos melhores pilotos para companhias de prestígio do nosso tempo. Mas a TAP é, queiramos ou não, um símbolo histórico de Portugal. A TAP é a nossa única bandeira que, todos os dias, circula livremente por quase todo o Mundo, numa acção de marketing sem precedentes. A TAP é uma das nossas mais reconhecidas imagens. A TAP é Portugal e os Portugueses…

Quanto valerá a TAP? Quanto valerá o seu património, incluindo todas as suas rotas, algumas quase em plena exclusividade? Quanto valerá algum do seu melhor capital humano? Quanto valerá por todos os destinos que sulca em muitos dos aeroportos do Globo? Quanto valerá a sua imagem?  E quanto valerá a sua marca? E a sua bandeira?

Tudo… e tudo sem preço, porque é de todos nós, portugueses. Foi difícil erguê-la. Foi complicado afirmá-la. Foi obra de gerações… por nuvens nunca dantes voadas. E não se pode nem deve desbaratar tão importante acervo histórico, patrimonial, profissional, empresarial, humano, técnico, administrativo, estimativo, etc. .

A TAP não é um qualquer veículo da Presidência da República, um qualquer castanheiro, uma qualquer fábrica de velas, um matagal a incendiar, um qualquer objecto ou uma simples folha de papel que se deite a voar… não é “coisa” de miúdos como os que, ultimamente, sem rota ou destino, não nos têm sabido governar.

A TAP é nossa, mesmo nossa… da nossa gente, de todos e de qualquer um. É das crianças, é dos mais velhos, é dos iletrados aos mais intelectualizados, é dos mais citadinos aos mais rurais, é dos mestres aos discentes, é dos homens e das mulheres de Portugal. É, também, dos honrados, dos esquerdistas aos da direita, dos conservadores aos mais progressistas, dos de ontem e dos de hoje… e, ainda, dos de amanhã. É, afinal, da Portugalidade.

O Sr. Seguro veio a terreiro defender uma TAP da Lusofonia. Bem-haja pela sua ideia… mas veja se a coloca em prática, arrebatando os outros principais países da mesma língua: Brasil, Angola e Moçambique.

Tanto e tão pouco por um referendo e, desta feita, os Srs. da política, começando pelo deputados da AR, não apostam nessa forma de auscultação dos interesses pátrios.

Ou será que os tais escritórios de advocacia lisboeta, entregues aos grandes senhores dessa corporação poderosa e intocável, já “cozinharam” o negócio para, e mais tarde, repartirem dividendos que encham bolsos de gente que teima em fazer empobrecer o país e o seu Povo?

A TAP, pela sua carga histórica e por todos quantos a serviram ao longo de mais de 60 anos, a maioria dos quais com abnegação, sacrifícios, labor, classe, alto profissionalismo e muita sabedoria, não pode ser vendida por “trinta dinheiros” em hasta pública de “feira da ladra” internacional.

Basta de venderem o País a retalho, como quem troca ouro por anéis de pechisbeque.

Apenas a ideia de António José Seguro será bem aceite, figurando como uma possibilidade de salvarmos a nossa TAP; ou a outra que foi colocada, recentemente, a circular que dava conta de que o Paes do Amaral, em associação com um ex-sócio da Continental Airlines, estaria interessado em adquirir a TAP. Do mal o menos…

Permitam-me – dirijo-me a todos quantos me possam ler e com a anuência do Sr. Director Mário Martins – que se possa lançar neste espaço de debate de ideias um inquérito nacional, ao qual se associará um manifesto, para se saber se o nosso Povo está interessado num referendo sobre o destino a dar à TAP.

Vamos a isso?  Fica nas nossas mãos e na nossa consciência, a dos portugueses.

 

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura