19.3 C
Coimbra
Quinta-feira, 29 Setembro, 2022
InícioDESTAQUEO Sr. Sócrates: Vizinho e Gestor da Quintinha

O Sr. Sócrates: Vizinho e Gestor da Quintinha

sócrates-prisão

ANTÓNIO B. MARTINS *

Conheci, vai para alguns anos, um Sr. Sócrates que era vizinho de uns tios meus, de e em Lisboa.

Diziam as “más línguas” que tinha conversa para dar e vender. E, no perímetro habitacional, de onde tinha casa abastada e vivia sem temor pelo futuro, apresentava-se de porte elegante e trajava só de etiqueta(s)…

Um vizinho, o Zorrinho, acolitado pelo Seguro, um do 1.º esquerdo e o outro do 2.º direito, não alinhavam com a cara do Sócrates.

Mas, um dia, sem perceberem como era possível, acordaram com uma bombástica notícia: o vizinho Sócrates fora nomeado para lugar grande… gestor/administrador geral de uma quintinha.

Passados dias… passava pela malta e já não era o mesmo – afirmava a vizinhança. Passou a uma pose de “pavão”, de altivez… e deixou de saudar muitos dos que o conheciam, dali do Bairro.

Aparecia muitas vezes nas televisões a falar da tal quintinha, dos que nela trabalhavam, a prometer uma gestão mais rigorosa, a discursar com a eloquência de um orador de excelência.

Tinha “letra” e palavras para tudo e para todos… era o que, na antiga Grécia, se poderia apelidar de um Tribuno. Mas, os vizinhos Zorrinho, Seguro e outros não o tinham nessa conta, antes o carimbaram com um cognome: “vendedor da banha da cobra”. Outros, mais letrados e mais fadados a benesses da tal quintinha, como o Silva Pereira, o Alberto Martins e demais colaboradores, queixavam-se do azedume dos primeiros. Uma ou outra vez, em “plenários” do bairro, trocavam truculentas expressões…

Um dia, para espanto de uns e de outros, em zumbido popular, a notícia estala, como as castanhas em assadura branda, dando conta de que o Sr. Sócrates estava metido numa barafunda relacionada com um terreno da quintinha, o qual – dizia-se – tinha sido cedido para nele se fazer um enorme armazém, com tudo e de tudo…

No barulho ouvia-se falar de ingleses e de familiares do Sr. Sócrates, numa molhada de interesses e de bolsos cheios e, também, de corrupção e de “baralhos por baixo das mesas dos poderes”, centrados no eixo da quintinha.

Acresce que a quintinha começou a apresentar défice de gestão, com cofres vazios, dificultando a manobra corrente e, ainda, o pagamento de salários e de outras situações.

Vai de, depois de auscultação à massa trabalhadora e outras, apear o Sr. Sócrates e colocar no seu lugar uma outra “passada” de forma de gestão. Outro estilo e outras cores… com teimosia à mistura…

O Sr. Sócrates deixou de ser visto no bairro para o começarem a topar em Paris, capital francesa para onde – informou as suas amizades – foi fazer um mestrado.

Voltavam os vizinhos e alguns trabalhadores da quintinha, que nunca o estimaram, a cantar de galo e a explicitar bem alto: “ foi fazer a travessia do deserto para, não tarda, aparecer recauchutado… a preparar terreno”.

Lá regressou, passado o tempo dessa aprendizagem parisiense, a Portugal e, sem se saber como nem porquê, ter um lugar de destaque no canal 1 da televisão pública, paga por todos os homens da tal quintinha, ao domingo, a uma hora nobre.

Ao invés dos outros comentadores, de televisões privadas, o Sr. Sócrates fez do seu espaço televisivo na RTP1, uma “coisa” sua, mas muito sua. Não comentava… defendia-se do passado e atacava e contra-atacava quem, no pretérito, o tinha afrontado… e deixava recados, dificultando a vida da jornalista que tinha a responsabilidade do programa porque a interrompia bastas vezes e, em tom, severo quase a “abafava”…

Agora, o Sr. Sócrates… que teve esse percurso todo, sem nunca se mostrar humilde e, principalmente, simples, porque do Povo, foi detido para se averiguar se tem responsabilidades de fuga ao fisco e branqueamento de capitais.

Que a justiça cumpra a sua missão, mas sem as pressões que, as mais das vezes, os poderes políticos, económicos, sociais e outros atiram para a engrenagem dos Tribunais e dos seus actores. Dessa forma, a opinião pública da quintinha vai acreditar que a justiça é igual para todos e que se sustenta num princípio basilar: “A JUSTIÇA É UM DOS PRINCIPAIS PILARES DE UMA DEMOCRACIA CREDÍVEL E QUE RESPIRA SAÚDE…”.

Como nota final, e porque vem a propósito sobre todo este episódio da vizinhança dos meus tios de e em Lisboa, fica uma célebre frase do Filósofo e Pensador grego Sócrates: “É COSTUME DE UM TOLO, QUANDO ERRA, QUEIXAR-SE DO OUTRO. É COSTUME DO SÁBIO QUEIXAR-SE DE SI MESMO.”

[foto: Expresso Diário]

Artigo anteriorInstinto (Outono)
Próximo artigoComo encomendar o livro
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura