13.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 20 Maio, 2022
InícioURBANO DUARTE: O LIVROApresentação do Livro sobre Urbano Duarte

Apresentação do Livro sobre Urbano Duarte

livro capa

Aguardei – com a mansidão que deve presidir ao relato de actos como o que vou passar a informar – que algum interveniente ou participante pudesse verter nestas páginas a descrição da Apresentação do Livro de Urbano Duarte.

Do autor, o Mário Martins, não se esperava essa manifestação porque – pensou ele – poderia ter uma interpretação pouco favorável à sua forma de ser como homem/pessoa e de estar como profissional da Comunicação Social. Retratar a própria obra de que foi o fazedor e o mentor seria presunção… e poderia ser, também, um auto elogio.

A sessão, na qual decidi participar como convidado, estava composta de um público heterogéneo, desde o anónimo simples, passando por algum professorado universitário e clérigos da Diocese, até a ex-alunos da figura que o Livro foca – uma parte dos escritos do “Correio de Coimbra” – e a pessoas que conviveram e admiraram Urbano.

A sala estava cheia e o ambiente pressentia a presença de um Urbano que, vida fora, foi esclarecido, emblemático, tocante, contagiante, clarividente e muito sensível aos aspectos da vida humana, dos casos dos seus semelhantes e, ainda, de uma Igreja de perdão, de vida, de amor e de solidariedades.

Revi, aqui e ali, uma ou outra pessoa que, fazia muitos anos, não tivera o gosto de ver ou de cumprimentar. Na maioria dos casos, todos foram cordatos e simpáticos, mas houve quem fizesse vista cega para não ter de me saudar… Coisitas menores com as quais passo bem… Gentinha que não cabe no perfil humano dos ensinamentos de Urbano.

A sessão foi, para mim, uma Jornada debruada a um ouro fino, porque os palestrantes, sem maçar a plateia, estiveram num patamar da excelência do trato das palavras, do pensamento, do discurso e da mensagem.

Foi uma Jornada evocativa da Obra, de um certo e determinado tempo da nossa vida colectiva como Povo e como Nação; celebrativa de um trabalho, o do Mário com qualidade, seriedade factual e histórica e, também, com muita pesquisa; recordativa de um Homem, de um Padre, de um Jornalista e de um Professor que marcou gerações e uma época; enaltecedora da eloquência e magnitude da acção de Urbano Duarte nessas vertentes; digna para quem o Livro retrata e, também, para quem o formatou; e, ainda, contemplativa por banda dos dois palestrantes que souberam expôr, com classe e muito saber, o que a todos ali levou.

livro2

O Mário, o primeiro interveniente – e fê-lo com mestria – não quis demoras, foi rigoroso, abordou o essencial, justificando a razão de ser da Obra que emergiu do seu trabalho da Faculdade. Deixou aos convidados oradores, a responsabilidade de falar dele, da obra e do visado no Livro. Esteve à altura do acontecimento… e deixou-se estar à margem das estrelas e das constelações, apesar de se sentir o cintilar da sua alegria pelo dever cumprido.

O Dr. Lino Vinhal, empresário ligado à Comunicação Social Regional e Director do “Campeão das Províncias”, afirmando-se com uma mestria de comunicador, soube captar o auditório não só pela forma “sábia” como abordou o grafismo da capa, desde o estilo (corpo), passando pela cor da capa e da letra adoptada, até aos espaços “em branco” e à paginação – numa observação de gabarito, de muitos anos de “tarimba” – colocou um determinado “enfoco” na expressão facial e no olhar do personagem e, ainda, no gesto que, espontaneamente, está presente na mão esquerda.

O seu discurso foi, aqui e ali, polvilhado de uma linguagem amena e provocatória no bom sentido, e de um “dito ou outro” de intervenção que teve a facilidade de refrescar o conteúdo.

Os elogios – marcantes – da personalidade do homem, da qualidade do jornalista e da seriedade do Cidadão Mário Martins não cansaram porque rasgaram o caminho da verdade, situando-o num lugar que só se atinge com sacrifícios, trabalho, honra, pundonor, alma, esforço e dedicação.

De Urbano, teve o Vinhal a franqueza de o apresentar como um amigo ou conhecido de passagem, mas socorreu-se –bem – da amabilidade de o contextualizar como um vulto da Igreja, do Jornalismo nacional e um Homem fadado para o Ensino.

Não se detendo na Figura de um Padre e de um Homem que não era vulgar, porque intelectual e culto, apresentou-o como a pessoa a cruzar a Fé e a Cultura, que teve o condão de abanar consciências, denunciar atitudes desprezíveis, apelar a bons sensos, dignificar as suas/nossas gentes, gritar contra as injustiças, descrever episódios mundanos, e compreender os seus alunos e a sua juventude irreverente de uma maneira transparente e com uma lucidez invejável.

O Vinhal, apesar de tudo, sabia quem era esse “monstro” da Igreja Portuguesa, esse Professor que arrebatou gerações e esse Jornalista que engrandeceu e enobreceu a Comunicação Social portuguesa.

A sua exposição foi um diálogo que dispôs o auditório a escutá-lo, porque nem um bocejo se pressentiu…

Como o vincou, ligeiramente, para que as interpretações de uma assistência multifacetada não pudessem “crismá-lo” de passadista, elegeu Urbano como a figura que, na nossa sociedade e neste século, precisávamos para se fazer luz e justiças. A necessidade da leitura, como o reflectiu ainda, é semente que deve frutificar, num tempo e num modo em que a sociedade portuguesa se politizou, os políticos se mediocrizaram e os portugueses estão descrentes e amorfos. Precisamos de “urbanos” e de gente que nos consiga arrebatar.

Não posso deixar de agradecer ao Vinhal – perdo-me esta informalidade do trato – a lição que, com simplicidade de linguagem, palavras doutas e expressões emotivas me transmitiu. Tocou-me a alma e levei-a mais confortada… Tocou-me o coração e carreguei-o mais aconchegado…

O Pe. Jesus Ramos, aproveitando o seu doutoramento em “História da Igreja” e o facto de conhecer Urbano Duarte, acentuou uma voz que prendeu a assistência, conseguindo abordar os aspectos mais exemplares da figura de Urbano, tendo-o “classificado” como um contemplativo, além de o ter situado no seu tempo, como Assistente do CADC, numa época de homens de magnificência intelectual e de brilhantismo de fé, numa simbiose perfeita entre a Cultura e esta última.

Disse-o sem medos e “vergonhas” que a Sociedade conimbricense, a Igreja Diocesana e a própria Universidade de Coimbra precisavam, neste nosso tempo de “cinzentas” águas, de afundamentos de ideias e de políticas, em que o Ocidente está mergulhado por ter perdido o fio condutor da sua génese cristã, de figuras como Urbano e de outros pensadores (se a memória não me atraiçoar) – Pacheco de Amorim, Cardeal Cerejeira, Braga da Cruz e outros – para se agitar, e no bom sentido, as massas e as nossas gentes. Precisamos de mais espiritualismo… necessitamos de mais evocação de um Deus que é, como disse e bem, amor e perdão.

O Pe. J. Ramos teve a coragem e a ousadia de deixar, perante ilustres presenças, algumas das quais identificadas com uma esquerda que não se revê em certas expressões, alguns recados, provocando os pastores e as ovelhas, de uma Igreja que – argumentou – deve estar viva e actuar nesta época de “ousadias” políticas, de crises e de falta de clarividência para se enfrentarem situações que a todos prejudicam. Exaltou o Humanismo Cristão da Igreja, uma matriz que faz falta nestes tempos de desnorte e de miserabilismos de todo a ordem, até mesmo de âmbito político e de programas que possam fazer fermentar a vida. Achei até que poderia ter dito que a Europa está a precisar de ser REEVANGELIZADA…

Enquadrando a passagem terrena de Urbano, a sua acção junto do Centro Católico e como Director do “Correio de Coimbra”, usando a expressão – antes e no tempo dele porque – disse – o “depois” estará por se escrever e não terá, por enquanto, o “lustro” linguístico e metafórico da sua escrita, o Pe. Ramos captou o auditório. A sua formação em História determinou um ou outro passo e compasso das suas opiniões, deixando interrogações para uma reflexão mais aprofundada da Vida e da Obra de Urbano Duarte.

A si, Pe. Ramos, que foi meu Chefe de Redacção e com quem aprendi muita coisa, estou-lhe grato pela sua “lição” que passarei a guardar na minha “algibeira” do conhecimento e da minha bagagem cultural.

Quase como nota final, referir que o orgulho de Pai (do Mário Martins) – estou certo – foi ouvir, ao cair do pano, a intervenção de uma filha que, notou-se, estava feliz, emocionada e que soube enaltecer o trabalho do “seu” Mário. Mas deixou-lhe um desafio que demostra a convicção que ela tem de reconhecer, no pai, a experiência e a sabedoria – suficientes – para ele conseguir trazer á estampa, mais um ou outro trabalho que possa deixar uma marca sobre o teu caminho de jornalista.

A sessão foi, para mim, um momento de recordações evocativas de um tempo, o da minha adolescência, onde, e no D. João III, aprendi a ser Homem, a formar-me para a vida e a dar os primeiros passos no jornalismo que, por variadas razões, acabei por abandonar.

E, se me permitem, porque já não tenho idade para me calar, não “caso” com certas desditas e jogadas que tentam manietar opiniões livres e desapaixonadas. O meu campo de batalha, sempre visou, alicerçado nos ensinamentos que me transmitiu Urbano Duarte de que me fiz amigo e com quem partilhei alguns espaços da minha vida – quantas noites no Manuel Júlio e aquelas férias com o João Bizarro em Sagres, no Algarve, além de outros convívios, a denúncia de injustiças, o grito por mais e maior humanidade e a defesa de uma maior dignidade humana, a bem de todos e dos Homens meus irmãos…

António Barreiros Martins (colaborador permanente do COIMBRA JORNAL)

 

 

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura